meu caminho (Pt+Es+De+En)

Luciana Costa (Luciana Martins-Costa)

lucicmcosta@yahoo.com.br

lucianamartinscosta@udk-berlin.de

 

Luciana Costa, paulistana, estudou em colégio antroposófico, formou-se em licenciatura em educação artística pela FAAP em 1996. Atua interrelacionando suas atividades poéticas (nas diversas mídias: fotografia, vídeo, pintura, instalação, música, performance e ações urbanas) com atividades pedagógicas e sociais. Realiza sua primeira exposição em 1995 oficializando o início de seu trabalho visual principalmente na técnica da fotografia debruçando-se sobre o tema do corpo. Em 2000 inicia sua atuação como mediadora em cursos de artes visuais, no mesmo ano funda o grupo Esqueleto Coletivo com quatro parceiros e participa do grupo performático ZaratrutA!. Desenvolve e realiza projetos de mediação entre arte e sociedade, criando parcerias com artistas e grupos, movimentos sociais e comunidades diversas. Em 2005 é coofundandora do grupo PI (Política do Impossível) que teve como objetivo implementar e consolidar espaços que ficassem na fronteira entre a arte/educação/política. Tem como princípios básicos de trabalho, norteando todas as suas atividades, a arte como um meio de linguagem comum a todos e entendendo a existência como um campo vasto e possível de intervenção criativa. Em Julho de 2014 concluiu seu mestrado no Instituto Arte em Contexto (Institut für Kunst im Kontext) da Universidade das Artes de Berlin (Universität der Künste Berlin) para o qual recebeu bolsa de estudo da Instituição Rosa Luxemburgo (Rosa-Luxemburg-Stiftung).

Luciana Costa, paulistana, estudió en colegio antroposófico, se formó en licenciatura en educación artística por la FAAP en 1996. Tutea interrelacionando sus actividades poéticas(en las diversas medias: fotografía, vídeo, pintura, instalación, música, performance y acciones urbanas) con actividades pedagógicas y sociales. Realiza su primera exposición en 1995 oficializando el inicio de su trabajo visual principalmente en la técnica de la fotografía reflejando sobre el cuerpo. En 2000 inicia su actuación como mediadora en cursos de artes visuales, el mismo año funda el grupo Esqueleto Colectivo con cuatro compañeros y participa del grupo performático ZaratrutA!. Desarrolla y realiza proyectos de mediación entre arte y sociedad, creando parecerías con artistas y grupos, movimientos sociales y comunidades diversas. En 2005 es cofundadora del grupo PI (Política del Imposible) que tiene como objetivo implementar y consolidar espacios que queden en la frontera entre el arte/educación/política. Tiene como principios básicos de trabajo, norteando todas sus actividades, el arte como un medio de lenguaje común a todos y entendiendo la existencia como un vasto campo posible de intervención creativa. En 2014 completó su maestría en artes por en el Instituto de Arte en Contexto (Institut für Kunst im Kontext) en la Universidad de Artes de Berlín (Universität der Künste de Berlin) por la que recibió la beca de la Institución Rosa Luxemburgo.

Luciana Costa, Brasilianerin aus São Paulo, hat in anthroposophische Schule studiert und hat sich in Kunsterziehung an der FAAP (Armando Alvarez Penteado Stiftung, São Paulo, Brasilien) gebildet. Wirkt sich auseinander auf poetischen (in verschiedenen Medien: Fotographie, Video, Malerei, Installation, Musik, Performance) und auch mit pädagogischen und sozialen Aktivitäten in privat und öffentlichen Räumen aus. Hielt ihre erste Ausstellung im Jahr 1995. Im Jahr 2000 erweitert ihre Rolle als Pädagogin und Vermittler in der bildenden Kunst, im selben Jahr gründete sie mit vier Partners die Kunstkollektiv Esqueleto, und beteiligt sich an der Performancekollektiv ZaratrutA!. Entwickelt und realisiert Projekten zwischen Kunst und Gesellschaft auch durch die Schaffung von Partnerschaften mit Künstlern und Gruppen, soziale Bewegungen und verschiedenen Gemeinschaften. Im Jahr 2005 ist Mitgründer die Kunstkollektiv PI (Politik des Unmöglichen) für die Umsetzung und Konsolidierung soll übrigen Räume an der Grenze zwischen Poetik/Pädagogik/Politik. Die Grundprinzipien ihre Arbeit, Führung alle ihre Aktivitäten, sind Kunst als Mittel der gemeinsamen Sprache und dass aller Existenz als weites Feld und kreative Intervention möglich war zunehmen ist. 2014 machte ihre Abschlussarbeit bei dem Masterstudium am Institut für Kunst im Kontext an der Universität der Künste Berlin als Stipendiatin der Rosa Luxemburg Stiftung.

Luciana C Martins Costa, was born in Brazil, Sao Paulo, studied in an anthroposophy school and graduated in Art Education at the FAAP (Armando Alvarez Penteado Stiftung, São Paulo, Brazil). Acts within the poetic (in various media such as photography, video, painting, installation, music, performance) also educational and social activities in public and private spaces. Held its first art exhibition in 1995. In 2000 expands its path as an educator in fine arts. In the same year found with 4 other artists the art collective Skeleton and integrate the performance collective ZaratrutA!. In the year 2005 founded with 6 other artists the PI (Politics of the Impossible) who works in the consolidation of spaces on the border between poetics, politics and pedagogy. Develops and implements projects between art and society as well with the partnership of artists, artists collectives, social movements and communities. Basic principles of their work and guide their activities are having art as a social language by understanding that all existence is a vast field of creativity and possibility of intervention. In 2014 conclude hers Masters in Art in Context Institute (Institut für Kunst im Kontext) at the University of Arts Berlin (Universität der Künste Berlin) with a studentship of the Rosa Luxemburg Institution.

 

EXPOSIÇÕES e AÇÕES

 

2015

“Zona de poesia árida”, Museu de Arte do Rio (MAR), Rio de Janeiro, RJ.

2014

“Exposição dos trabalhos de Mestrado do ano de 2013/2014” do Instituto Arte em Contexto, Universidade das Artes de Berlin, Alemanha.

“10 x 1”, Galeria Virgilho, São Paulo, SP.

2013

“Metropole Nomade – Belles Villes: Hanoi/Paris/Rio/São Paulo”, Ateliers d’Artistes de Belleville, Paris France.

“O Abrigo e o Terreno”, com Poética do Dissenso, curadoria Paulo Herkenhoff e Clarissa Diniz, MAR Museu de Arte do Rio, RJ.

2012
“Teto de Vidro”, com Esqueleto coletivo, integrou o evento “Na Borda: Mostra de Coletivos Artísticos em São Paulo” – Concurso de Apoio a Projetos de Festivais de Artes no Estado de São Paulo. São Paulo, 2012., SESC Consolação, SP.

2011

Terra Viva – uma prática artística, integrou a exposição Pedotopia: re-sourcing urban soil, no Encontro Anual da Sociedade de Ciências do Solo na Universidade Técnica de Berlim, Alemanha.

Espaço Protegido, integrou a exposição Um Teto Todo Seu, Espaço Enquanto, São Paulo, Brasil.

2010

Lançamento do produto Eau de Conscience, (Esqueleto Coletivo), integrando a exposição De fora para dentro da Galeria Expandida, na Galeria Luciana Brito, São Paulo, SP.

Voz Livre – Cartografia quilombola, (Política do Impossível), Brasil.

2009

Voz Livre – O que é ser quilombola hoje?, (Política do Impossível), Brasil.

Camelô de Estratégias – 6 Bienal de Cultura da UNE, Programa Imersivo Ambiental, Salvador, BA.

Cidade de Quem? – Avenida dos Quilombolas – (Política do Impossível) São Paulo, SP.

Camelô de Estratégias – Corpos d’agua,  Vale do Anhangabaú, São Paulo, SP

2008

Mapa Teia – Espaço da Juventude Honestino Guimarães , UNE/CUCA/PIA/A Caravana), Brasília, DF. Encontro Nacional dos Pontos de Cultura – TEIA 2008

Cidade Luz – uma investigação ação na cidade de São Paulo, edital Conexões Artes Visuais.

Traga sua Luz – PI e Forum Centro Vivo (FCV), São Paulo, SP.

Elevado a Torturador Costa e Silva – Continuidade Histórica e Produção Simbólica – “Utópicos e Rebeldes”, Cinemateca, São Paulo, SP.

2007

Manifesto Zapatista, Restaurante Ritornelo, São Paulo SP.

Mulher Bomba, MIL971, São Paulo SP.

Mulher Bomba, Arte Ecológica, Galleriapizzeria, São Paulo SP.

Cidade dos Cartógrafos – (Política do Impossível), Oficina Oswald de Andrade, São Paulo, SP.

2006

Atitude Suspeita, Centro de São Paulo, EIA (Esqueleto Coletivo), São Paulo SP.

Natureza Morta, Eco-lógica, Galeria Favo, São Paulo SP.

Maria Florzinha, Celebração Junina do Impossível, Casa de Cultura Tainã, Campinas SP.

ZaratrutA!, SESC/Ribeirão Preto, Ribeirão Preto SP.

Virada Cultural, Praça Paulo Duarte, EIA (ZaratrutA!), São Paulo SP.

Vizinhos, (Esqueleto Coletivo), Viena, Áustria.

T erritório São Paulo, IX Bienal de Cuba (Esquleto Coletivo), simultâneamente em Havana Cuba e São Paulo SP.

ZaratrutA, Festival de Linguagem Eletrônica, Centro Cultural Telemar, Rio de Janeiro RJ.

2005

Corpo em exercício, Faculdade de Belas Artes de São Paulo, São Paulo SP.

Bela Vista, percurso Hospital da Beneficiência Portuguesa ao Cemitério da Consolação, EIA, São Paulo SP.

Arte Ciência (Zaratruta), NAP/Espaço Cultural CPFL, Campinas SP.

I RAP (mm não é confete), Nokia Trends, simultâneamente em São Paulo SP e Rio de Janeiro RJ.

Vida x Propriedade (Esqueleto Coletivo), EIA (Experiência Imersiva Ambiental), São Paulo SP.

Ladeira da Memória (ZaratrutA), Virada Cultural, Vale do Anhangabaú, São Paulo SP.

ZaratrutA, Festival de Linguagem Eletrônica, Casa das Caldeiras, São Paulo SP.

SPLAC, Praça Coriolano, São Paulo SP.

Salão de Maio (Esqueleto Coletivo), Salvador BA.

4HYPE (Esqueleto Coletivo), SESC Pompéia, São Paulo SP.

4HYPE (ZaratrutA), SESC Pompéia, São Paulo SP.

4HYPE (mmnaoehconfete), SESC Pompéia, São Paulo SP.

Travessia Vegetação (realização da performance de Flávia Vivacqua) Prq. dos Patins, Jandim Botânico, Rio de Janeiro.

Travessia Vegetação, realização da performance de Flávia Vivacqua, elevado Costa e Silva, São Paulo SP.

PUBLICAÇÕES

2008 Cidade Luz – uma investigação-ação no centro de São Paulo, Editora PI

VÍDEOS

Territórios SimbólicosPolítica do Impossível, http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/0/6L_1uaxT-Hw

Cidade de Quem? – Política do Impossível, http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/1/0QicmssXtQo

Ocupação Fazenda Jambeiro 1 e 2Política do Impossível,

http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/3/r9hZ-O6xpz0

http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/2/WnyQrQVIi_I

Traga Sua LuzPolítica do Impossível,

http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/4/w0AyEYK3vPM

Cidade dos cartógrafos 1 e 2Política do Impossível,

http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/6/_zGDRL9XJHc

http://www.youtube.com/user/Politicadoimpossivel#play/uploads/5/qu9u39kf3-Q

Bela Vista – http://www.youtube.com/watch?v=sJID90FSM3M

ZaratrutA! – FILE RIOZaratrutA!, http://www.youtube.com/watch?v=hV5Z46ojdkc

ZaratrutA!Ladeira da Memória, Virada Cultural, http://www.youtube.com/watch?v=iqaJ6L0QBvk&feature=PlayList&p=AE9377E02B2F87CD&playnext=1&playnext_from=PL&index=2

The War of Art 1 e 2 – Almir Almas e ZaratrutA!, http://www.youtube.com/watch?v=7zN885gSxu4

,http://www.youtube.com/watch?v=wet_V4ITy3c&NR=1

FORMAÇÃO

2008/2005 – coordenação pedagógica de Fátima Freire no projeto NAP/CPFL

ATIVIDADES EM ARTES VISUAIS

2009 Atualmente desenvolve o projeto Voz Livre, junto à Casa de Cultura Tainã e a Rede Mocambos. Projeto premiado pelo Edital Interações Estéticas/Residências Artísticas em Ponto de Cultura (MinC/2009).

2009/2005 co-fundadora e coordenadora do PI (Política do Impossível) – Poética Política e Educação.

2009/2003 integrante fundadora do grupo Esqueleto Coletivo.

2008 elabora e coordena como PI (Política do Impossível) em parceria com o Coletivo Bijari o evento Planeta Sustentável (Editora Abril) no parque do Ibirapuera.

2008 ministra, como PI (Política do Impossível) a oficina Continuidade Histórica e Produção Simbólica, na exposição Utópicos e Rebeldes, Cinemateca de São Paulo.

2008/2005 coordenadora do NAP (Núcleo de Artes Plásticas) CPFL Cultural.

2008/2000 ministra aulas de artes plásticas na Prima Escola Montessori de São Paulo.

2007Realizou supervisão pedagógica da formação inicial do Programa Jovens Urbanos (PJU), CENPEC (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária), São Paulo, SP.

2006desenvolve o projeto “Possíveis Aprofundamentos de Como Viver Junto”, 27ª Bienal de São Paulo. Debatedores convidados: Suely Rolnik, Vera Palamin, JAMAC – Jardim Miriam Arte Clube, Frente 3 de Fevereiro, GAC (Grupo de Arte Callejero) Argentina.

2006/2003 integra o grupo ZaratrutA!.

2005 artista-educadora do curso Arte Ciência, CPFL Cultural.

OUTRAS ATIVIDADES

2008/1999 desenvolve a atividade performática do Poi.

2008/1997 toca didjeridoo, instrumento aborigene australiano.

2003/2002 pratica Kung-Fu no Templo Chaolin de Kung-Fu.

2002/2000 faz curso de Teatro-Circo na Companhia Fractons de Circo.

2001 desenvolve linguagem do Clown com Cida Negron.

1994 pesquisadora da área de conservação e restauração de têxteis históricos no Museu Paulista, mantida pela FAPESP, fundo de pesquisas da Universidade de São Paulo.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: